04.05.2020

Alta Genetics divulga novos parâmetros de eficiência de colostragem de bezerras leiteiras

Alta Genetics divulga novos parâmetros de eficiência de colostragem de bezerras leiteiras

Pesquisadores americanos e canadenses apontam para novos pontos de corte de eficiência de colostragem de bezerras leiteiras

Você sabia que além de auxiliar no aumento de imunidade dos bezerros recém-nascidos, a colostragem também ajuda manter a temperatura desses animais nas primeiras horas de vida? A importância da colostragem para bezerras é reconhecida há muitos anos, sendo indispensável a necessidade do fornecimento de colostro de alta qualidade nas primeiras horas de vida para a correta transferência de imunidade passiva. 

Essa transferência representa a absorção das imunoglobulinas maternas no intestino delgado das bezerras, durante as primeiras 24 horas após o nascimento, ajudando a protegê-las contra patógenos, até que seu sistema imunológico imaturo seja capaz de responder rapidamente aos desafios.

 

A falha na transferência de imunidade é um dos principais fatores de risco para a mortalidade, morbidade e baixo desempenho em bezerras, representando perdas econômicas relevantes para o pecuarista leiteiro. Levantamentos do programa Alta CRIA revelaram que em 2019, animais com falha de colostragem apresentaram 2,25 vezes maior risco de morte durante a fase de aleitamento.

 

Atualmente, o Padrão Ouro de Criação de Bezerras Novilhas dos Estados Unidos, estabelece que para o sucesso na transferência de imunidade passiva, 80% dos animais necessitam alcançar valores de proteína sérica iguais ou acima de 5,5 g/dL. No entanto, pesquisas dos EUA e do Canadá mostraram que bezerras com maiores valores de proteína sérica apresentaram taxas mais baixas de doenças e de mortalidade, o que provocou mudanças no padrão para a avaliação de eficiência de colostragem individual e do rebanho.

 

O novo padrão proposto estabelece metas mais altas, visando melhor saúde das bezerras, sendo baseado na relação entre menor morbidade dos animais com valores mais altos de transferência de imunoglobulinas, pois o risco de mortalidade está associado a baixos valores séricos delas. 

 

O padrão proposto inclui quatro categorias, sendo elas: excelente, boa, aceitável e ruim (Tabela 1). Esses níveis podem ser aplicados individualmente ou para o rebanho, com base na porcentagem de bezerras que devem ser representadas em cada categoria.

 

Tabela 1 - Categorias propostas para as concentrações de IgG, proteína total e brix séricos e percentual recomendado em cada categoria

Categoria

Proteína sérica total (g/dL)

Brix sérico (%)

Percentual de bezerros em cada categoria 

Excelente

≥ 6,2

≥ 9,4

> 40%

Boa

5,8 a 6,1

8,9 a 9,3

30%

Razoável

5,1 a 5,7

8,1 a 8,8

20%

Ruim

< 5,1

< 8,1

< 10%

*Adaptado a Godden et al. (2019).

 

No Brasil, a Alta Genetics desenvolve há três anos o programa Alta CRIA, que coleta os principais dados zootécnicos na fase de cria e oferece orientação técnica aos produtores.

 

Os levantamentos mostram que as fazendas que participam do projeto já estão obtendo percentuais de colostragem acima dos novos valores propostos. No entanto, ainda há espaços para melhorias que vão garantir cada vez mais redução na taxa de morbidade e doenças nas bezerras.

 

Para se obter transferência passiva bem-sucedida dentro das novas metas propostas, será necessário que o produtor fique atento a cinco importantes pontos de manejo:

 

Tempo para o fornecimento do colostro – Deve ser inferior a 1 hora após o nascimento;

Qualidade do colostro – ≥ 25% brix;

Quantidade ingerida na primeira mamada - 10 a 12% do peso corporal ao nascimento; 

Quantidade ingerida na segunda mamada - 5% do peso corporal ao nascimento; 

Qualidade sanitária do colostro - < 100.000 unidades formadoras de colônia por mL em contagem de placa padrão e < 10.000 unidades formadoras de colônia para coliformes fecais.

 

É importante lembrar que nem sempre as fazendas têm à disposição colostro de qualidade. Pensando nisso, uma estratégia para aumentar os valores de brix no colostro, além das medidas de manejo para redução de todo tipo de estresse no final da gestação e nutrição adequada, é melhorar a qualidade utilizando enriquecimento por meio de substitutos naturais, como o colostro bovino em pó. 

 

Como funciona? Primeiro é feita a avaliação do colostro a partir do refratômetro Brix. Depois, se o colostro não obter a qualidade mínima de 25% de Brix, o mesmo é complementado com o Colostro Bovino em Pó, seguindo a regra de 15 gramas de colostro em pó para aumentar 1 ponto percentual do grau Brix em 1 litro de colostro. 

 

Agora, com essas mudanças, as fazendas devem reavaliar seus dados e implementar a nova classificação e novos manejos, buscando melhorar cada vez mais os principais pontos na colostragem. 

 

 

Sobre a Alta Genetics

A Alta Genetics é líder no mercado de melhoramento genético bovino do mundo. Com matriz localizada em Calgary, no Canadá, atua em mais de 90 países com nove centrais de coleta: Brasil, Estados Unidos, Canadá, Argentina, Holanda e China. Com 20 anos de história no Brasil, a empresa está sediada na cidade de Uberaba/MG, e tem como missão orientar pecuaristas sobre a melhor maneira de usar a genética aliada ao manejo, nutrição, ambiente, gestão e todos os processos para garantir um animal com todo o seu potencial genético. O compromisso da Alta é criar valor, entregar o melhor resultado e construir confiança com seus clientes e parceiros, em busca do desenvolvimento da pecuária. Mais informações no website: http://www.altagenetics.com.br

 

Informações para Imprensa:

Alfapress Comunicações

Larissa Albuquerque (19) 2136-3527 | (19) 9 9785-7482

larissa.albuquerque@alfapress.com.br

Priscilla Granzotto (19) 2136-3516 / (19) 99789-0107

Priscilla.granzotto@alfapress.com.br 
 

 

Postado por Alfapress Comunicações | 0 comentários
Marcadores: Alta Genetics

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Carregando...